Imagem capa - Doze por 12 - Outubro de 2016 por Mateus Barcelos

Doze por 12 - Outubro de 2016


E aí pessoal! Tudo bem?
Como prometido, criei esse espacinho para contar mais desse projeto que tem me surpreendido muito.

Sempre almejei com um projeto desse, desde quando comecei fotografar, porém, nunca havia achado um casal tão próximo de mim, igual esses dois (Cleidiane e Anderson).

Antes de falar mais do projeto, vou contar um pouquinho de como conheci eles:

Somos conhecidos pelo codinome “Eu Por Vocês”, conheci a Cleidiane através de um curso de audiovisual que fiz na produtora Antenados, na Ramacrisna em Setembro de 2015, lá onde iniciamos nossos laços de amizade. Nosso primeiro contato um com o outro, foi através de mensagem no Whatsapp, (Tinha o número dela por causa do grupo do curso) tive uma dúvida numa atividade de fotografia (que nem era a área dela na época), e daí surgiu o papo. Fomos desenvolvendo o papo, até que começamos conversar constantemente pelo whatsapp. E nos cumprimentávamos todos os dias do curso.

Bom, ainda não entendeu o porquê do “Eu por vocês”, né?

Calma que já tá acabando!

No início de Dezembro, concluí um ensino médio, e minha escola realizou uma “colação”, onde disponibilizou alguns convites impressos para distribuir para meus convidados. Resolvi convidar a Cleidi e o tal namorado “Anderson”, que ela vivia falando. Cleidi chegou ao namorado e disse:

 – Moz, vamos na formatura de um menino do curso

– Que menino?

– Um da escola multimídia

Foi aí que conheci Anderson, hoje, meu melhor amigo depois da Cleidi. Estava no início da colação, “crente” de que eles não iriam, quando pra minha surpresa, recebo uma mensagem dela dizendo que estava no fundo com seu namorado. Confesso que queria dar pulos de alegria, porém o momento não permitia (risadas). Ao fim da colação fui cumprimentar meus convidados, e os dois chegaram, e me deram os parabéns, fiquei lisonjeado com a presença deles. E então fizemos um selfie, e ela postou em suas contas pessoais do Instagram e Facebook.

Foi a partir daí que começamos estreitar os laços entre nós três.
Hoje, ocupo o cargo de melhor amigo e confidente do casal.

Agora que já sabem um pouco de nós, vamos falar do projeto:
Como disse, até o devido momento, não tinha encontrado o casal ideal, e mais próximo de mim, para que eu pudesse compartilhar desse projeto.

Até que conheci Cleidiane e Anderson. O casal no qual fui chamado para ser padrinho, e mesmo antes do casório, já tenho um cuidado, muito especial.

O convite para ser fotógrafo deles, surgiu numa noite chuvosa, e eu estava em casa tomando minha velha xícara de café, e eu e a Cleidi estávamos conversando sobre o casamento dela, e ela veio me contar o quanto estava difícil suas finanças e suas contas para pagar, chegou até me enviar valores, que eu vi e fiquei espantado. Até que vi que era hora e momento certo para dar um presente talvez simples pra mim, mas essencial para ela. Porém antes de tomar a decisão, disse para ela todas as vezes que me perguntou e com todas as letras que NÃO QUERIA SER O FOTÓGRAFO DO CASAMENTO DELA.

Mas como Deus gosta de nos dar uns “tapas de luvas” as vezes, senti um incômodo muito grande em relação a isso. Até que em uma das minhas orações no secreto, pedi a Deus um sinal de que era pra entrar nesse missão de fotografar o casamento deles, e exatamente do jeito que pedi o sinal Ele mandou. Lembra de como descrevi o dia em que contei pra ela? Exato, foi desse mesmo jeito que pedi em minhas orações, sem comentar nada com ela.

E depois de toda reação e surpresa dos dois, dias depois surgiu o meu convite para eles participarem desse projeto que ainda não era definido com um nome específico. Até que começamos ele em minha casa mesmo, pois eles consideraram lá como um lugar muito especial.